Tratamento Vascular Estético
 

Não obstante o fato de as varizes serem um sério problema de saúde, elas têm um cunho estético extremamente relevante para mulheres e homens. As primeiras, costumeiramente, procuram o especialista, cirurgião vascular, pois além dos sintomas causados pela doença, queixam-se do aspecto estético das pernas. Em verdade, todo procedimento feito no tratamento das varizes, seja por doença avançada, seja por questões de beleza, é feito em busca da melhor harmonia física possível, mesmo naquelas varizes de grosso calibre em que a preocupação é evitar a piora progressiva dos sintomas e as complicações próprias da doença varicosa.

Assim, para pequenos vasinhos, a escleroterapia (conhecida como aplicação), consiste na injeção de uma substância esclerosante (irritante local) que promove a oclusão das telangiectasias (nome dado aos pequenos vasinhos) que o organismo incumbe-se de reabsorver. Desta forma, estes pequenos vasinhos nunca “voltam”, outros podem vir a se formar. Assim, cuidados como atividade física sem impacto, o uso de meia elástica adequada, entre outras precauções, são fundamentais para evitar o reaparecimento do problema.

As aplicações devem ser feitas uma vez por semana pois, os vasinhos, tendem a desaparecer alguns dias depois da sessão de escleroterapia. O intervalo entre elas deve ser de, pelo menos, cinco dias.
Nenhum repouso é requerido após o procedimento.

Hematomas são raros, porém, possíveis e desaparecem completamente. Algumas pequenas marcas podem permanecer após o ato, no local da picada da agulha, desaparecendo cerca de três dias após.

Alguns pacientes podem sentir uma sensação de queimação, tardiamente, no dia do procedimento. Não é habitual, porém, é normal. Locais em que os vasinhos são interligados e, portanto, recebem uma dose maior durante a aplicação podem ficar um pouco hiperemiados (avermelhados) e elevados. Isto desaparece completamente sem que nada precise ser feito.

Pacientes de peles mais sensíveis podem evoluir com algumas pequenas marcas que se iniciam com uma pequena bolha que se transforma em crosta (como a casca de um arranhão). Estas marcas são mais demoradas para desaparecer, porém, como as outras, não costumam deixar seqüelas.
Casos raros de alergia relacionados ao produto aplicado são descritos como uma mancha elevada e com coceira no local. Neste caso, outras substâncias são aplicadas.

O tratamento, apesar de parecer simples, é de difícil execução e depende, muito, da experiência do profissional habilitado para o procedimento; sempre um cirurgião vascular.

Veias um pouco mais calibrosas, chamadas de microvarizes são de resolução cirúrgica, assim como aquelas bem maiores que causam uma volumosa protrusão tortuosa nas pernas. As primeiras são tratadas com micro cirurgias e as outras com cirurgia convencional para varizes, eventualmente, com a necessidade da retirada das veias safenas quando estas se apresentam doentes. Em ambos os casos, as incisões cirúrgicas são feitas de forma a provocar o menor desconforto estético seguindo, sempre, as linhas de força da pele para que a cicatriz seja, com o tempo, igualada à tez levando a um resultado estético excelente. É claro que a cicatrização e o aspecto final da incisão dependem, e muito, da pele de cada um, porém, com os cuidados tomados durante o procedimento cirúrgico, os resultados são muito satisfatórios.

Assim como os vasinhos, as varizes não “voltam”. As pessoas que têm o problema apresentam uma tendência, normalmente de origem familiar, em sofrer dilatações venosas quando expostas a fatores desencadeantes. Desta forma, medidas preventivas devem ser tomadas para evitar o reaparecimento das indejadas varizes.